Quem já sofreu na pele algum tipo de preconceito, tenha sido verbal, corporal ou mesmo aquele olhar indiscreto cheio de julgamentos maldosos, sabe como é ruim estar em um ambiente que remeta a qualquer uma dessas situações. Todo mundo quer ser feliz e poder ser quem é em qualquer lugar. Mas nem sempre isso é fácil. Para facilitar a busca por lugares livres de preconceitos, três amigos se juntaram para mapear, de forma colaborativa, os estabelecimentos que estimulam a inclusão e respeitam a diversidade.

Esse é o objetivo da Gofriendly, ser uma plataforma colaborativa de avaliação de lugares LGBT-friendly e de trocas de experiências. “A gente quer dar voz às pessoas LGBT para que elas digam se aquele hotel, bar, café, restaurante ou outro tipo de estabelecimento é mesmo amigável, onde uma pessoa possa se sentir bem e segura, independentemente da sua identidade de gênero ou orientação sexual”, diz o fundador, o jornalista Luiz De França.

O projeto nasceu durante sua participação no programa global de aceleração Founder Institute, realizado em São Paulo, e acabou virando uma campanha de crowdfunding, uma modalidade de financiamento coletivo que já movimentou mais de R$ 180 milhões em doações no Brasil. “Por enquanto, o que temos é um site simples, mas queremos torná-lo em uma plataforma de fato. E como toda a nossa proposta é ser colaborativa, fizemos questão de chamar as pessoas para também fazerem parte da construção desse processo desde o início”, conta.

O que chama a atenção para campanha é que, diferente de outras, em que as doações costumam ir apenas para aquele determinado projeto, o pessoal da Gofriendly resolveu mudar essa lógica. Quem doar para o projeto da startup também estará contribuindo para duas ONGs (Organizações Não-Governamentais) de São Paulo. Isso porque 10% das doações serão divididos entre a Casa Florescer, uma entidade que acolhe 30 mulheres travestis e transexuais em vulnerabilidade, e para a associação que realiza a parada do orgulho LGBT de São Paulo, a APOGLBT-SP (http://paradasp.org.br/). “Eu, o Itamar Olimpio e a Tatiane Souto, que entraram nesse projeto comigo, queremos ser uma empresa diferente, que devolve à comunidade parte do lucro que tivermos. A diferença é que resolvemos começar desde já”, diz o fundador.

As doações vão de R$ 10 a R$ 1 mil. Como é de praxe nessas campanhas, quem doa recebe recompensas. Neste caso, elas vão de cartão virtual de agradecimento a um show de drag queens, um workshop de liderança LGBT e até duas diárias de hotéis em cinco cidades brasileiras cedidas pela AccorHotels. Se você é LGBT ou simpatiza com a causa, vá em frente e contribua.

Links

Gofriendly (https://www.gofriendly.co)

Campanha de crowdfunding (https://benfeitoria.com/gofriendly)

Casa Florescer (https://www.facebook.com/florecerCA/)

APOGLBT-SP (http://paradasp.org.br/)

Foto: Reprodução