Por mais que os anos passem, os pensamentos vão mudando, existe ainda um assunto que é tabu entre a maioria dos casais: relacionamento aberto. Seja porque o estilo de relação não seja apropriado para algumas pessoas segundo suas concepções ou pelo simples motivo que a sociedade estabelece padrões que as pessoas acreditam que devam ser seguidos, é válido ressaltar que cada um faz o que bem entender com a sua relação.

Mas, de acordo com estudo realizado pela Universidade de Guelph, tanto o relacionamento aberto quanto o monogâmico, são igualmente prazerosos. Vem entender.

O estudo feito com 140 pessoas que estão em relacionamentos abertos, e 200 que estão em relacionamentos monogâmicos, teve como objetivo comparar o nível de satisfação de cada um deles. Com os resultados finais foi possível afirmar que um dos fatores mais importantes para uma relação ser satisfatória é a motivação sexual acerca dela, e não a sua estrutura. “Tanto em relacionamentos monogâmicos ou não, quem se engaja sexualmente para satisfazer as próprias necessidades e a do parceiro acaba sendo mais feliz”, diz Jessica Wood, autora do estudo.

A pesquisa ainda apontou que casais que não satisfazem suas necessidades sexuais para evitar conflito tendem a ser frustrados com a relação e que corresponder aos próprios desejos psicológicos traz maior felicidade ao casal.

Os autores do estudo concluíram que estamos em um momento sócio-cultural onde esperamos muito de nossos parceiros onde nós queremos satisfação sexual, excitação, e também queremos suporte emocional e material. Além disso eles afirmaram que não existe alguém que consiga preencher a todas essas necessidades, e caso exista, esta pessoa irá se sentir extremamente pressionada.

“Eles são visto como imorais ou menos satisfatórios. Presume-se que quem está nesse tipo de relacionamento acaba fazendo sexo com todos que vêem pela frente, o tempo inteiro. Estas pessoas são rotuladas como maus indivíduos em relacionamentos ruins, o que definitivamente não é o caso”, conclui Jessica.

Foto: Reprodução